fbpx

Xixi na cama: quais as causas e como evitar

Xixi na cama: quais as causas e como evitar

Xixi na cama: quais as causas e como evitar

 

É normal crianças fazerem xixi na cama. Entretanto, essa é uma condição que também pode acometer pessoas na fase adulta.

Chamada de enurese noturna, a circunstância pode não estar ligada a problemas nos rins ou bexiga. Confira!

 

Enurese noturna em números

Dados apontam que o xixi na cama pode ocorrer em 15% das crianças até 5 anos, 7% até os 10 e 3% até os 12 anos, com maior incidência em meninos. Na vida adulta ou adolescência são raros os casos.

Após os 7 anos, essa situação deixa de ser comum, por isso a recomendação é pedir ajuda ao pediatra.

Outros sintomas podem surgir acompanhados pela enurese noturna, dentre eles, alteração na tonalidade da urina, emagrecimento ou fome exagerada, e fragilidade emocional.

Dessa forma, repreender ou castigar a criança é uma atitude negativa, afinal, ela já sente constrangida pela condição em si e o estresse psicológico pode piorar o quadro.

 

Artigos Relacionados

 

Maior incidência em meninos

Devido à fisiologia do sexo masculino, os meninos são mais afetados e atingem a maturidade do sistema urinário mais tarde.

Isso acontece pelo fato de o esfíncter não ser controlado apenas neurologicamente, mas também por hormônios, com o passar dos anos.

 

Xixi na cama: causas

Tanto em crianças como nos adultos, a condição pode surgir por causas físicas ou psicológicas. 

 

Em adultos

Nos adultos, pode ser por problemas no parto, na próstata, por perda da força do esfíncter, entre outros.

 

Em crianças

Dentre as causas físicas estão:

  • Contrações involuntárias na bexiga;
  • Aumento da produção de urina à noite por deficiência de um hormônio;
  • Hereditariedade; 
  • Diabetes;
  • Associação com constipação intestinal;
  • Infecção no trato urinário;
  • Apneia do sono;
  • Desfralde noturno precoce.

Já as causas psicológicas podem incluir a dificuldade da criança em acordar, além de eventos estressantes, como mudança de escola, a chegada de um irmãozinho, dormir fora de casa, entre outras.

O xixi na cama pode ocorrer devido à ansiedade, alterações ambientais e baixa autoestima. 

 

Como diagnosticar o problema

A condição pode ser diagnosticada por meio de consulta médica com pediatra, urologista pediatra e psicólogo.

Esses profissionais identificam as situações que necessitam de mudanças no hábito das crianças, controlando a enurese noturna.

O diagnóstico também ocorre com a realização de exames laboratoriais, como de urina, e exames de imagem de rins e bexiga.

 

 

Tratamento

Existem diversos tratamentos para a criança parar de fazer xixi na cama. Eles são aplicados caso a caso, dependendo da gravidade da situação. 

 

Terapia

A terapia comportamental é indicada para crianças que passaram por um abalo psicológico ou estão sofrendo com autoestima baixa. 

Utiliza técnicas de reforço positivo, contabilizando as noites em que a cama ficou seca e incentivando o aprimoramento do controle da urina.

 

Medicamento

A desmopressina reduz a produção de diurese. Como existem riscos com efeitos colaterais, o uso só deve ser feito sob prescrição médica.

 

Alarme noturno

Trata-se de um sensor que pode ser colocado no pijama da criança. Ao primeiro sinal de umidade, um alarme é tocado.

Entretanto, essa opção serve apenas como paliativo, não resolvendo o problema causador da condição.

 

Dicas para controlar o xixi na cama

  • Evitar a ingestão de líquidos à noite e dar preferência ao consumo durante o dia;
  • Incentivar urinar regularmente, principalmente antes de dormir;
  • Evitar cafeína, refrigerantes e alimentos ricos em sal.
  • Evitar retornar ao uso de fralda. Isso pode criar a sensação de incapacidade e gerar um impacto negativo na autoestima.
  • Dialogar e ouvir a criança a fim de auxiliar no processo de maturação psicológica.

 

Ficou com dúvidas ou tem alguma dica para controlar o xixi na cama? Compartilhe conosco deixando um comentário em nossas redes sociais. Você poderá ajudar outras pessoas!

ARTIGOS RELACIONADOS

Desafios emocionais do envelhecimento: como enfrentar

O envelhecimento é um processo natural da vida que traz consigo uma série de desafios emocionais. À medida que envelhecemos, enfrentamos mudanças físicas, cognitivas […]

Continuar Lendo

4 riscos para a família por não ter plano funerário: cuidados necessários além da dor

O falecimento de um ente querido é um momento extremamente delicado e doloroso na vida de qualquer família. Além da dor emocional, não ter […]

Continuar Lendo