Novidades

Incorrupção: Preservação natural do corpo após a morte

10/02/17

A partir do século IV foram documentados vários relatos de casos estudados, ao longo da história, de corpos humanos preservados naturalmente da deterioração que, comumente, afeta todo organismo poucos dias após a morte. Essa característica de preservação natural é chamada de incorrupção e esses casos, geralmente, estão ligados à religião.

 

Mártir Nazaré

O primeiro documento de autenticidade de incorrupção é uma carta de Santo Ambrósio, que no século IV era bispo de Milão, para Santo Agostinho, que era bispo de Hipona. A carta conta que o mártir Nazaré, que mesmo depois de 200 anos do martírio, no túmulo, a cabeça, que foi decepada pelo inimigos, estava em perfeito estado e ainda emanava sangue vivo.

 

Madre Inês de Jesus
A priora de Langeac (França), que faleceu em outubro de 1634, teve seu corpo exumado para beatificação e este foi encontrado sem sinal de decomposição e até 1770 cientistas declaravam o caso inexplicável.

 

São Vicente de Paula
Falecido em 1660, foi exumado em 1712 para sua canonização. Aberto o túmulo, segundo uma testemunha ocular “tudo estava como quando foi enterrado”.

 

Beata Maria Ana de Jesus
Pouco depois de sua morte em Madri, em 1642, o bispo de Málaga, que a conheceu em pessoalmente, declarou que o corpo estava “tão perfeitamente conservado que sequer o abdômen e nem as faces ofereciam sinal de deterioração, com exceção de uma mancha nos lábios, embora essa já a tivesse em vida.” Após 107 anos de sua morte, uma inspeção oficial e mais completa atestou que seus restos mortais se apresentavam suaves, flexíveis e elásticos.

 

Mártir Jesuíta André Bobola
Foi açoitado e ultrajado pelos cossacos, por recusar-se a aceitar o cisma russo. Seu cadáver mutilado foi jogado numa esterqueira, recolhido e enterrado às pressas por católicos na cripta da Igreja dos Jesuítas em Pinsk. Após 44 anos, o corpo foi encontrado exatamente no mesmo estado em que foi depositado e 70 anos depois da morte, especialistas confirmaram as declarações.

 

Santa Madalena Sogia Barat
Faleceu em 1865 e, depois de 28 anos seu corpo foi encontrado quase perfeitamente inteiro, embora o ataúde estivesse parcialmente podre e recoberto de mofo.

 

Bernadete Soubirous
A vidente de Lourdes faleceu em 1879, aos 34 anos. Passados 30 anos, seu corpo foi exumado e uma testemunha afirma: “Não havia o menor indício de corrupção. Seu rosto aparecia levemente escurecido e os olhos um tanto afundados, parecendo estar dormindo.”

 

Há pelo menos menos 50 casos bem estudados de ausência de rigidez cadavérica entre santos da igreja católica, desde o século XII até nossos dias. É muito mais difícil para a ciência encontrar uma explicação para tal preservação em caminho mais aberto para a igreja afirmar o fato como miraculoso.

 

Fonte: Revista de Parapsicologia 30, elaborada pelo Clap - Centro Latino Americano de Parapsicologia



Novidades Relacionadas

Incorrupção: Preservação natural do corpo após a morte

Incorrupção: Preservação natural do corpo após a morte

A partir do século IV foram documentados vários relatos de casos estudados, ao longo da...

Alternativas diferentes para restos mortais

Alternativas diferentes para restos mortais

As maneiras de se perpetuar restos mortais vem se ampliando e se diversificando a cada dia.

Reflexões sobre a morte

Reflexões sobre a morte

A edição 173 da revista Superinteressante abordou a morte da maneira como nós, do setor...